Com apoio do Iphanaq, roda de capoeira e exibição de filme marcam encerramento de Mostra no Liceu

23897660_1905966789421002_296165457_nFoi com roda de capoeira antes da exibição do filme Ó Pai Ó que a II Mostra de Cinema “a cultura negra e a história afro-brasileira” encerrou nesta quinta feira dia 23 de novembro as atividades que vinha realizando desde o dia 14 em comemoração a Semana da Consciência Negra no Liceu de Quixeramobim.

Com uma belíssima apresentação do grupo de capoeira da Fundação Arte Brasil de Quixeramobim, antes da exibição do filme que encerrou a II Mostra de Cinema, foi apresentado a todos os alunos do turno da noite, um pouco do trabalho que esse grupo desenvolve com crianças e jovens da periferia de Quixeramobim, promovendo cidadania e combatendo o preconceito e o estigma contra aqueles que praticam essa importante manifestação cultural do povo negro, que já foi inclusive considerada crime no código penal brasileiro até 1937.
23897927_1905966782754336_910065081_nApós a apresentação do grupo, o coordenador Lula, fez uma breve reflexão do quando a capoeira é importante ser praticada para que mais jovens e crianças conheçam a sua história e comecem a partir de sua inserção no grupo possa se reconhecer enquanto afro-brasileiro e valorizar suas origens africanas na maioria das vezes desconhecidas.

Em seguida no auditório da escola foi exibido o filme Ó Pai Ó, de Monique Gardenberg. Baseado em uma peça de Márcio Meirelles, tendo trilha sonora coordenada por Caetano Veloso, o filme é composto, em sua maioria, por atores do Bando de Teatro Olodum. É também o episodio piloto da série de TV do mesmo nome.

O filme conta a história dos moradores de um animado cortiço do centro histórico do Pelourinho, em Salvador. Tudo se passa no último dia do Carnaval, em meio a muita música, dança e alegria. Até que Dona Joana, uma evangélica, incomodada com a farra dos condôminos, decide acabar com a festa, fechando o registro de água do prédio.
23972349_1905966766087671_2033823951_nEmbora contenha um tom de comédia, este filme revela um lado desconhecido da cidade de Salvador, do seu carnaval e o contraste social. Tocam em assuntos como violência, drogas, mídia, preconceito e racismo.

Após a exibição o professor Willamy Nunes conduziu a mediação comentando alguns pontos no qual destacou no filme. A diversidade cultural brasileira e visão dominante sempre querendo anular; a luta contra o racismo e a desigualdade social e racial, não apenas no contexto da época em que o filme é ambientado, mas também na atualidade, onde a onda de intolerância e discriminação e racismo têm avançando assustadoramente. Algo lamentável. Espero que a escola continue realizando ações em prol da luta contra todo tipo de opressão racial, algo tão forte ainda na cultura brasileira eurocêntrica. Isso precisa mudar urgente, frisou.

A II Mostra de Cinema a cultura negra e a história afro-brasileira foi uma realização da área das ciências humanas do Liceu de Quixeramobim, com o apoio cultural da Ong. Iphanaq.
netocamorim@gmail.com