Cineclube Sertão Itinerante realiza exibição do Assentamento Quinin

IMG_9198 Nesta sexta, 16 de junho, o Cineclube Sertão Itinerante esteve no Assentamento Quinin, e na ocasião foi exibido o documentário, “Entre chuvas e Estiagens – A dinâmica da vida no semiárido”.

No semiárido brasileiro, quando o inverno chega, o sertanejo se alegra, as plantas da caatinga rebrotam e a vida se renova. É um momento que convida homens e mulheres do campo, a armazenarem água e alimento para enfrentarem o período da estiagem que vem depois. Este documentário mostra que para viver bem no semiárido é preciso considerar as características de cada região, aprender com a natureza, e tirar lições destes dois períodos: chuva e estiagem.
IMG_9205Esta produção é uma iniciativa da Ação Social Diocesana de Patos – ASDP, que desde 1956 tem marcante atuação junto às famílias residentes em municípios da Diocese de Patos e, nos últimos anos tem contribuído com o fortalecimento de parcerias em vista da convivência com o semiárido, pautadas na organização comunitária, mobilização social e no manejo adequado dos recursos naturais.
Reunidos na casa sede do Assentamento, moradores da comunidade, mediada pela professora Fátima Maciel, que desenvolve uma metodologia de atuação pedagógica contextualizada na educação do campo em sala de aula, participaram de um debate após o filme, refletindo coletivamente as questões nele abordadas.

De acordo com Francisco das Chagas de Aquino, presidente da Associação do Assentamento Quinin, o que mais lhe chamou atenção no filme, foi o depoimento dos agricultores falando de quando o inverno era bom no sertão. Hoje isso está a cada ano mais difícil. Os desmatamentos e as queimadas ainda acontecem com muita intensidade. Apesar de recebermos informações de como preservar o meio ambiente, diminuindo as queimadas, o uso de agrotóxicos e não desmatar as margens de rios e riachos, pois isso tem impacto direto na redução das chuvas, a maioria dos agricultores ainda não acredita que isso seja verdade. Esse filme nos mostra que essa preocupação existe em todo semiárido nordestino e nós deveríamos tirar desse momento aqui hoje na comunidade algumas lições e colocar em prática em nossa comunidade, frisou Chagas de Aquino.
IMG_9218Para o professor José Roberto, também morador do Assentamento, as questões que o filme apresenta sobre a realidade do sertão paraibano, a maioria delas são as mesmas de nossa região. Cabe a nós, portanto, aprender a desenvolver mais ações de convivência com o semiárido. Algumas dessas ações já estão presentes em nossas comunidades, mas precisamos valorizar a nossa convivência no campo, preservando nossa cultura sertaneja. O documentário também nos despertou pra isso. Eu mesmo não gosto de morar em cidade. Estudei, casei constituir família, mas permaneço morando aqui no assentamento. Minhas origens são aqui, isso pra mim tem muito significado, destacou.
IMG_9228Sobre o Cineclube Sertão Itinerante
O projeto aprovado no XII Edital Ceará Cinema e Vídeo – 2015, conta com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria Estadual da Cultura (Secult-CE). A proposta do Cineclube Sertão Itinerante é ter por meio do cinema uma ferramenta de provocar discussões importantes sobre temas como: Convivência com o semiárido, agricultura familiar, luta pela terra, por água, entre outros. O Sertão Itinerante tem o cunho ainda de pensar o cineclube enquanto uma ação cultural de formação pedagógica e educativa, possibilitando a comunidades rurais uma reflexão sobre sua realidade por meio do audiovisual. Toda programação de exibição foi pensada a partir de obras do cinema brasileiro, sendo parte voltada para a produção cearense, oportunizando assim, o debate e a circulação da arte produzida no Ceará.

Neto Camorim – Integrante da Ong. Iphanaq e Coordenador do Cineclube Sertão Itinerante